Protegendo o matrimônio




“Finalmente, irmãos, vos rogamos e exortamos no Senhor Jesus, que assim como recebestes de nós, de que maneira convém andar e agradar a Deus, assim andai, para que possais progredir cada vez mais”. (1 Tessalonicenses 4:1).

Louvamos a Deus por continuarmos meditando com os preciosos leitores sobre família. Desta feita, apontando, pelo menos, quatro das principais causas das ruínas de muitos casamentos:

  1. Infidelidade (ao que a Bíblia se refere como “adultério”): quando um dos cônjuges ou ambos se envolvem sexualmente com outra pessoa. Esse ato é severamente condenado pela Palavra de Deus, no Antigo e no Novo Testamento. (Êxodo 20:14 – “Não adulterarás” – e Mateus 5:27-28 – “Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério.
    Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela”). Com certeza, é a principal forma de destruição da estrutura familiar. Isso hoje é facilitado pelo extremo sensualismo dos dias atuais. O apelo sexual através dos programas e novelas da televisão, a internet – com suas redes sociais, bem como farto material impresso – tem se traduzido em uma força avassaladora contra a santidade do matrimônio. É preciso temer a Deus e respeitar o cônjuge para vencer as investidas desse mundo que jaz no maligno, conforme escreveu João na sua primeira epístola, capítulo 5, versículo 19: “Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno”.
  2. Questão financeira. Nesse bojo temos crises como a do desemprego, má administração dos recursos, falta de planejamento financeiro e negócios malsucedidos. Isso tem se tornado uma combinação perfeita para abalar a vida conjugal e familiar. Por vezes ouvi irmãos se gabando pelo número de cartões que carregam consigo – e os altos valores em créditos com que foram “contemplados”. Isso é uma tremenda armadilha que precisamos estar atentos, agindo com prudência para não comprometermos o nosso bom nome, conforme Provérbios 22:1 – “Vale mais ter um bom nome do que muitas riquezas; e o ser estimado é melhor do que a riqueza e o ouro” – e por consequência, comprometer também a paz familiar. Provérbios 15:16 – “Melhor é o pouco com o temor do Senhor, do que um grande tesouro onde há inquietação”.
  3. Incompatibilidade. (O que nos parece ser, na prática, pura intolerância diante das limitações e dificuldades do cônjuge). Em grande medida é alimentado pela soberba, e a Bíblia nos ensina a vencer esse mal, apresentando-nos 1 Coríntios, capítulo 13, versículos 4-7, mostrando que o amor tudo suporta (O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece; não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta).
  4. Interferência de terceiros. Em Mateus 19, Jesus faz menção das palavras de Gênesis, capítulo 2, versículo 24, quando o Senhor instituiu o matrimônio e disse: “deixará o varão a seu pai e a sua mãe e unir-se-á a sua mulher” – mostrando ali uma clara referência que, ao se unir, o casal deverá construir sua própria vida, não permitindo a ingerência de outras pessoas que, via de regra, são familiares, parentes – e parentes próximos. Sempre é assim. Então, é necessário o casal vencer essa dificuldade: pessoas até bem-intencionadas acabam trazendo dificuldades para a vida do casal.

Tem – evidentemente – tantas outras questões que vamos abordando dentro desse quadro que vão, certamente, ajudar aos casais vencerem suas lutas e adversidades – e cremos que, assim, Deus dará a vitória. Se é o caso do teu casamento, da sua família, está inserido em algum desses pontos aqui mencionados, nós queremos em nome de Jesus dizer que o Senhor tem solução, tem vitória para você e sua família – ore buscando a Ele buscando direção e graça para vencer qualquer dificuldade e certamente a benção virá sobre seu lar, seu matrimônio. Deus abençoe a todos e até o nosso próximo comentário!