Pequenas coisas que deixarão as pessoas fora do Céu!




Alguma vez em sua vida você já contou os fios de cabelo da sua cabeça? Nos dias em que vivemos, onde a correria é o estilo de vida comum das pessoas, parar para contar fios de cabelo seria considerado uma grande perda de tempo. Ninguém está interessado em fazer cálculos desse tipo. No entanto, Jesus afirmou que “até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados” (Mt 10.30). No mesmo contexto, o Mestre ainda destaca: “E qualquer que tiver dado só que seja um copo de água fria a um destes pequenos, em nome de discípulo, em verdade vos digo que de modo algum perderá o seu galardão” (Mt 10.42). As companhias de saneamento promovem campanhas visando despertar na sociedade o uso consciente da água, que é desperdiçada largamente. As pessoas não se preocupam em gastar muito; Deus, porém, atenta até mesmo para um único copo que é dado para matar a sede dos seus filhos a fim de recompensar aqueles que assim fazem. Quando Deus ordenou Moisés libertar o seu povo do Egito, a ordem foi: “nem uma unha ficará” (Êx 10.26)! O Senhor se importa com as mínimas coisas. Aquilo que é corriqueiro e trivial para nós é importante para Ele.

Quando olhamos para a humanidade, é fácil perceber que as pessoas enfatizam as grandes coisas. Admiramos um empresário de sucesso, mas não consideramos os passos pequenos e constantes que foram dados até se obter o resultado. Por outro lado, ficamos profundamente angustiados e sobressaltados quando ouvimos que um grande homem de Deus cometeu um grande pecado, quando na verdade foram falhas “pequenas”, e às vezes até lentas, que causaram tamanha desgraça. O ditado popular já expressava há muito esta sabedoria: “de grão em grão, a galinha enche o papo”.

Será que estamos atentando para as pequenas coisas? Muitas pessoas não irão para o céu por causa delas. Na cabeça de muitos crentes há uma lista de pecados considerados respeitáveis; atitudes pequenas, mas possuem um grande peso perante o julgamento divino! Condenamos o adúltero e nos esquecemos que “qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela” (Mt 5.28). A perplexidade nos assalta ao ouvirmos nos noticiários as atrocidades cometidas por humanos. Parricidas e infanticidas encharcam as páginas dos jornais de sangue. Ficamos sobremaneira indignados com a capacidade animalesca de uma pessoa tirar a vida de outra, porém a espada da lei de Deus se volta contra nossa própria cabeça quando a Escritura diz: “Qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele” (1Jo 3.15)!

Há provas empíricas em nosso dia a dia que nos demonstram como as coisas pequenas podem trazer um grande desconforto. Você já se imaginou correndo uma maratona com “uma pedra no sapato”? Que tal depois de um dia exaustivo de trabalho você deitar na sua cama para dormir e ter um pequenino pernilongo sibilando em seus ouvidos, impedindo seu descanso? Um só pernilongo nos ensina que não é preciso um monstro para tirar o nosso sono. E aquele pedacinho de unha no canto do dedo, que nos incomoda tanto e tentamos arrancar com os dentes durante o expediente de trabalho? O que dizer de um cisco no olho? Não é uma experiência desagradável para todos nós? Entretanto, estamos mais pensativos no argueiro do olho do irmão do que na trave em nossos olhos (Mt 7.3,4). Ainda que a trave em nosso olho seja maior que o cisco no olho do irmão, tropeçamos no cisco e não na trave! Pequenas coisas causam grandes incômodos, “pequenos pecados” causam grandes consequências.

A epístola de Tiago chama a língua de “pequeno membro”. Todos concordamos que a língua não ocupa uma grande parte do nosso corpo, mas com ela o homem pode cometer desgraças de proporções imensas. Tiago afirma: “Vede também que as naus que, sendo tão grandes, e levadas de impetuosos ventos, se viram com um bem pequeno leme para onde quer a vontade do daquele que as governa. Assim também a língua é um pequeno membro, e gloria-se de grandes coisas. Vede quão grande bosque um pequeno fogo incendeia” (Tg 3.4,5). Este texto bíblico, por si só, é suficiente para nos mostrar essa verdade: pequenas coisas deixarão as pessoas fora do céu! Não deixemos que raposinhas entrem sorrateiramente em nossas vinhas destruindo as nossas flores de onde nascem os mais belos frutos da vida santa (Ct 2.15). A vigilância é parte integrante e vital para a nossa fé. Estar atento às pequenas coisas é salutar para o crente. Afinal, ninguém tropeça num Everest; tropeçamos em pedrinhas. Sejamos fiéis no mínimo (Lc 16.10) e ouviremos do nosso Salvador Jesus naquele dia: “Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu Senhor” (Mt 25.21)!

Em Cristo,
Gabriel Oliveira