Os cristãos e o Coronavírus COVID-19




Há alguns dias uma entidade microscópica tem paralisado e agitado o mundo: trata-se de um vírus que se tornou uma pandemia. Esta é mais uma prova para nós de que coisas pequenas podem causar grandes estragos. Estamos falando do famoso coronavírus COVID-19. O “pequeno-gigante” tem deixado muitos corações perturbados com a sua chegada. É engraçado ver como os homens desafiam a Deus e dizem que Ele não existe. Eles acham que são seres onipotentes, até que apareça algo de tamanho insignificante e prova-os o contrário.

O COVID-19 fez com que muitas autoridades governamentais tomassem medidas preventivas no afã de evitar maior proliferação da doença. Várias atividades têm sido suspensas, como aglomerações em centros culturais, faculdades e colégios. Estabelecimentos importantes estão fechando as portas nestes dias, empresas estão fazendo algumas alterações na escala de horário de seus empregados – e aquelas que podem optam pelo trabalho remoto. As igrejas não estão de fora, e muitas também se precaveram suspendendo as reuniões temporariamente; outras, por sua vez, mantém as portas abertas, mas estão controlando o fluxo dos seus membros realizando apenas pequenas reuniões. Tudo isso tem provocado alguns burburinhos entre os cristãos. Há aqueles que apelam para a fé, dizendo que não devemos nos preocupar com isso; outros estão tão medrosos quanto aqueles que não conhecem ao Senhor, mas…. Como devemos agir biblicamente frente a este problema atual?

Fé ou imprudência?

Se você é um cristão, não se engane: sua fé não te torna uma pessoa imune a esse novo vírus. Não importa o quanto você cite o Salmo 91.10, sua interpretação isolada do texto à parte do contexto geral das Escrituras não vai te proteger. Tem muito crente ignorando os cuidados elementares de precaução alegando ter fé em Deus. Timóteo era um crente fiel, nem por isso era imune as doenças (1Tm 5.23). Epafrodito era amigo de Paulo, e quase morreu por causa da sua enfermidade (Fp 2.25-27), Trófimo, outro companheiro do apóstolo também ficou doente (2Tm 4.20). Será que Paulo não orou para Deus curá-los? Será que ele não tinha fé que Deus poderia fazer isto? Deus havia ressuscitado mortos por meio de Paulo e até os seus lenços eram usados para sarar os doentes, mas Deus não quis curar seus cooperadores de forma sobrenatural. Até ao rei Ezequias Deus ordenou que passasse pasta de figos para curar suas chagas (Is 38.21), e Deus não deu a receita médica através de um médico – e sim de um profeta! É lamentável ver muita gente agindo irresponsavelmente em nome de Deus. É preciso deixar isso bem claro: Deus não tem nenhum compromisso com a nossa imprudência! Dizer que não vai tomar os cuidados necessários quanto ao COVID-19 não se chama fé: tem outro nome. Isto se chama irresponsabilidade, imprudência, falta de amor próprio e amor ao próximo – que pode ser mais vulnerável do que você. Deus pode nos livrar? É claro que sim! Mas nunca sabemos como. Ele pode fazer isso de muitas formas, inclusive através de prevenção.

A decisão das autoridades

Quanto aos decretos emitidos pelas autoridades, precisamos entender, como cristãos, que devemos nos sujeitar as decisões dos nossos governantes, pois está escrito: “Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as autoridades que há foram ordenadas por Deus. Por isso, quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação” (Rm 13.1,2). O que precisa ficar muito claro para nós é que tudo isso não se trata de uma tentativa de calar a Igreja; não estamos falando de perseguição – e sim, de prevenção. O decreto (ou pelo menos a recomendação em alguns lugares) de não reunir grandes ajuntamentos não se restringe apenas aos grupos evangélicos. Somos cidadãos do céu sim, mas também somos cidadãos da Terra, vivemos a tensão da dupla cidadania, por isso não devemos desprezar o que as autoridades estão dizendo. Mas alguém dirá: “Mais importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5.29)! Bem, isto é verdade. Porém, quando Pedro disse isto, as autoridades estavam querendo deter o Evangelho, o que não é o nosso caso; as nossas autoridades, neste presente momento, estão tentando deter uma doença – por isso, essa frase de Pedro não tem nada a ver com o nosso contexto; além disso, não podemos ignorar as palavras deste mesmo apóstolo que, sob inspiração divina, escreveu: “Sujeitai-vos, pois, a todas ordenação humana por amor do Senhor; quer ao rei como ao superior. […] honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai ao rei” (1Pe 2.13,17). Aqui, o apóstolo nos ensina duas coisas:

  1. Obedecer essas medidas é uma atitude de amor para com Deus. O texto afirma claramente “sujeitai-vos… por amor do Senhor”. Se você ama a Deus, logo deve obedecer aos governantes, porque foi Deus quem os colocou na posição de autoridade sobre nós. O próprio Senhor Jesus nos mostrou que o amor está entrelaçado à obediência.
  2. Obedecer essas medidas é uma atitude de amor com o próximo. Pedro diz “amai a fraternidade” e “honrai ao rei’ em uma única sentença. Se eu amo aos meus irmãos, também serei a favor das recomendações que previnem que eles adoeçam, afinal, não gostamos de ver aqueles a quem amamos sofrendo. Se você percebe que está com os sintomas do vírus, deve ser um cristão maduro o suficiente para buscar a Deus, recorrer aos cuidados médicos e ficar em casa para que seus irmãos não sejam expostos ao contágio. Não há nada de errado em isolar-se nesse caso, há “tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar” (Ec 3.5).  Não demonstramos amor apenas abraçando, às vezes é mais amável não abraçar – prevenir é também uma medida de amor fraternal.

Ademais, não podemos esquecer do fato de que Deus é Espírito (Jo 4.24). Ele não está enclausurado em um templo. Você pode adorá-Lo e servi-Lo em qualquer lugar em seu culto pessoal. Temos ainda ao nosso favor a internet que, a despeito de todas as coisas ruins que lá existem, não se pode negar que tem sido um meio que Deus tem usado para alcançar muitas vidas, e pode ser muito útil para nós nesse tempo. Fique atento às programações da sua igreja local, pois até agora é possível se reunir em pequenos grupos sem violar às ordens governamentais. Quem sabe também esta não é uma oportunidade para realizar cultos domésticos em família? Se você nunca realizou um culto doméstico aproveite o momento, e se você deixou de realizar, reavive essa prática tão importante. “Nas tendas dos justos há voz de júbilo e de salvação; a destra do SENHOR faz proezas” (Sl 118.15).

A Histeria

É possível notar que junto ao COVID-19 há outro vírus proliferando com mais intensidade; podemos chamar este contágio paralelo de “Pandemia da Histeria”. As pessoas não procuram se inteirar corretamente sobre o que está ocorrendo e começam a tomar atitudes até esquisitas. Imagens e vídeos começam a encher as memórias dos nossos celulares por causa da difusão das notícias fakes, fazendo com que as pessoas comecem a agir irracionalmente. Pelo menos aqui no Brasil não faltam aproveitadores que lucram bastante com a ingenuidade alheia, aumentando o preço dos produtos nas farmácias e nos mercados. Muitos estão comprando o que podem e o que não podem para estocar em suas casas – parece que o corona chegou e o mundo inteiro irá acabar em um segundo. A “Pandemia da Histeria” parece gerar mais problemas que o próprio COVID-19, pois enquanto uma pequena porcentagem é atingida pelo novo vírus, vemos um grande número de pessoas paranoicas com a situação presente.

O pior de tudo é que muitos cristãos em tempos como esse começam a agir como se Deus tivesse dormido no volante e perdido o controle das coisas que estão acontecendo no mundo. Eles não conseguem confiar na Soberania Divina e ficam desesperados como se toda esperança tivesse acabado. Esse tipo de “cristianismo medroso” é pueril, não reconhecendo que Deus está assentado no Trono de Sua Glória, governando com total soberania os eventos da história humana. Os homens são pegos de surpresa, Deus não!

O povo de Deus não pode ter medo. Cuidado sim, medo não. Somos o povo que possui a Visão Profética; pare de dar ouvidos a qualquer notícia sem procedência que chega até você, abra a sua Bíblia e você verá que o nosso Salvador já havia vaticinado tudo isso há mais de dois mil anos atrás (Mt 24.7). Nós temos um Deus que tem poder tanto para deter a proliferação desse mal, como curar aqueles que já foram afetados por ele. No entanto, se Deus não quiser realizar nem uma ou outra coisa, cabe ao cristão permanecer confiando, sabendo que Deus jamais falhou e jamais falhará.

Ninguém irá depositar confiança em alguém tão medroso quanto ele. Se a igreja reage a esta situação com pânico, ela deixa de ser a reposta de Deus para um mundo em crise. A Bíblia diz que não somos como os demais que não têm esperança; temos que nos precaver, obedecer às autoridades, mas sobretudo confiar plenamente no Deus ao qual servimos. Cristo é o Príncipe da Paz, e com Ele podemos passar por essa turbulência confiadamente.

Olhe para Cristo, aquele que nEle crê jamais ficará envergonhado. Por fim, podemos encerrar este texto com as palavras do Apóstolo do Amor: “desejo que te vá bem em todas as coisas, e que tenhas saúde” (3Jo 3). Amém!

Em Cristo,

Gabriel Oliveira