O que nos espera em 2020?




Estamos no início de um novo ano. Nos próximos meses e dias que se seguirão não sabemos o que nos espera. Por mais intelectual que um homem seja, está muito longe da sua alçada a capacidade de saber o que acontecerá no futuro. A não ser que Deus o revele, o alcance de sua visão é apenas de um palmo à frente do seu nariz. A presciência é um atributo que pertence unicamente a Deus. Ele anuncia o fim desde o princípio, afirmou o profeta. Não existem surpresas para Deus, pois não há nada no mundo visível ou invisível que Ele não veja e escape do Seu conhecimento perfeito. A.W. Tozer afirmou sabiamente que Deus “nunca descobre nada. Ele jamais se surpreende ou se espanta” (IMPACTO; O Conhecimento do Santo; pg.177). O Senhor não precisa consultar o “clima tempo” para saber a temperatura do dia seguinte; ninguém precisa ler as suas mãos, pois todos os tempos do tempo – passado, presente e futuro – estão nas mãos dEle. Ele não consulta profetas ou videntes. Ele conhece tudo e todos e ninguém O conhece, a não ser que Ele remova o véu e mostre o Seu rosto.

O amanhã é um caminho desconhecido para o ser humano; uma trilha virgem que nenhum peregrino explorou. No entanto, pela palavra de Deus, o cristão pode saber muitas coisas que ainda estão por vir. Sabemos, por exemplo, que Jesus voltará para nos buscar; que o Anticristo se manifestará e governará o mundo. Sabemos também que haverá muitas catástrofes quando este tempo chegar; Cristo, porém, triunfará sobre o Homem do Pecado (Anticristo) e estabelecerá o Seu reino de mil anos aqui na terra. Tudo isso está no futuro, mas o crente em Jesus já sabe e tem certeza destes acontecimentos. Todavia, não sabemos se a ocorrência deles se dará a partir deste ano de 2020, por isso, a posteriori, destacaremos duas grandes certezas para este ano ainda.

A primeira certeza que podemos ter quanto a 2020 é que este será um ano de dificuldades. Espere aí, não pare de ler este texto agora. Não se trata de pessimismo; é uma visão realista fundamentada na palavra de Deus. O meigo Nazareno assegurou aos Seus discípulos e a nós o seguinte fato: “no mundo tereis aflições” (Jo 16.33). Com estas palavras o Senhor deixou claro que o sofrimento não é uma possibilidade, e sim uma certeza. A questão do sofrimento na vida do cristão não abre brechas para um “talvez”. Muitos pensam que o resultado de seguir a Cristo é uma ascensão contínua da solução dos nossos problemas; isso é um ledo engano. Embora Deus intervenha e resolva muitas das nossas dificuldades, Ele não resolve tudo. Aliás, há muitos problemas que “arrumamos para a nossa cabeça” só porque nos tornamos cristãos.

Jesus mostrou a Paulo não apenas que ele “iria”, mas também o quanto “deveria” sofrer pelo Seu nome (At 9.16). Paulo, por sua vez, deixou a igreja sob aviso. Escrevendo aos tessalonicenses ele disse sem rodeios: “que ninguém se comova por estas tribulações; porque vós mesmos sabeis que para isto fomos ordenados, pois, ainda estando convosco, vos predizíamos que havíamos de ser afligidos, como sucedeu, e vós o sabeis” (1Ts 3.1-3). Ele deixa claro que o cristão está destinado a passar por dificuldades, e ele os avisou previamente. Se você quer “sombra e água fresca”, a fé em Jesus não é a melhor alternativa. Evangelho não é indolor, o sofrimento faz parte do “kit”, e você não tem opção de escolher só a parte que gosta. Não é Deus que serve você, é você que serve a Ele. O salmista disse: “Muitas são as aflições do justo”, e “por muitas [não poucas] tribulações nos importa entrar no Reino de Deus” (Sl 34.8; At 14.22). Evangelho não é um parque de diversões e sim uma arena de provações. É por isso que por vezes a Bíblia diz “não temas”, “tenha bom ânimo”; isso só faz sentido para quem tem problemas. Sendo assim, estabelecemos aqui a nossa primeira certeza quanto a este ano de 2020.  Muitas dificuldades nos esperam neste novo calendário, e não pode ser diferente, mas fique tranquilo, haverá alguns feriados.

Embora a primeira certeza seja confrontadora, a segunda é consoladora. E o crente em Jesus deve estar tão certo da segunda quanto da primeira. Antes de subir ao céu o Senhor Jesus prometeu: “eis que estou convosco todos os dias” (Mt 28.20). Deus não é covarde! Tenha isso em mente. Ele sabe que você não aguenta essa “bronca” toda sozinho. Por isso, a segunda e maior certeza que temos é esta: O Senhor estará conosco!

Por causa da fidelidade a Deus, Sadraque, Mesaque e Abede-Nego foram lançados na fornalha de fogo, mas o Quarto Homem estava lá. Daniel foi parar na cova dos leões, mas ele testemunhou o grande livramento com a sua própria boca: “O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem dano” (Dn 6.22). Não pense que José era um coitado por causa das agruras que padeceu. Quando ele foi vendido para Potifar no Egito, diz a Bíblia que “o SENHOR estava com José”. Depois de ser injustiçado pela mulher de seu senhor, ele foi para o cárcere, mas não foi sozinho; a Escritura afirma que Deus era com ele, “e estendeu sobre ele a sua benignidade” (Gn 39.2,20). Deus não está conosco só nas horas boas, mas também nas ruins. Assim como um marido jura estar com a sua esposa na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, na riqueza e na pobreza, o Senhor prometeu estar com Seu povo; e mais: a promessa de um homem à sua mulher dura até que a morte os separe, mas “quem nos separará do amor de Cristo? […] Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus nosso Senhor” (Rm 8.35,38-39)!

Crente fica doente, crente fica desempregado, crente fica enlutado, mas crente nunca fica sozinho, porque o seu Deus nunca o abandona. No final do seu ministério, Paulo foi desamparado por Demas, e não só por ele; o apóstolo afirma que durante o primeiro procedimento legal que o levou a ser preso, ninguém o assistiu, antes, todos o desampararam (2Tm 4.10,16). Porém, ele afirma com o a boca cheia: “O Senhor, porém, esteve ao meu lado, me apoiando, e me fortaleceu” (2Tm 4.17 – AEC). Que promessa inabalável! Você pode passar pelo vale da sombra e da morte, mas não precisa temer mal algum, porque o Senhor está contigo (Sl 23.4)! Esta é a uma grande certeza na qual devemos nos agarrar. Haverá tristezas, mas teremos companhia constante. Haverá “tempestades assassinas”, mas Aquele que acalma os ventos está em nosso barco. Não sabemos com plena exatidão o que vem pela frente em 2020, mas, do que isso nos importa? Aquele que sabe de tudo cuida de nós! Feliz ano novo a todos!

Em Cristo,

Gabriel Oliveira